Instinto de sobrevivência ou egoísmo?

egoísmo

Triste reconhecer, admitir e evoluir – Muita gente, independente da idade, grau de instrução ou classe social, não sabe diferenciar instinto de sobrevivência de egoísmo. Agressividade não é necessariamente algo negativo. Graças a ela somos capazes de liderar, inovar, criar… Criamos força e coragem para nos aventurar em novos projetos de vida, tentar uma nova profissão, investir em estudos, carreira, família e lutar contra os obstáculos e injustiças que encontramos no caminho.  Agressividade não é só positiva, como também muitas vezes, necessária!

Egoísmo: quando a agressividade circula exclusivamente em torno do EU

egoismoAgressividade em si não é ruim. O problema é quando agressividade de confunde com egoísmo, ou seja, quando o EU se torna o centro do universo e deve se sobrepor a tudo e todos. O excesso de energia voltada exclusivamente para si mesmo é puro egoísmo.

Triste reconhecer e admitir que muita gente adulta não desenvolveu isso com o tempo, nem com a idade, nem com os estudos, nem com suas experiências de vida, nem com os exemplos alheios. Pelo contrário! Essa gente usa toda a sua capacidade cognitiva para reforçar a ideia de que o mundo e as pessoas são perigosos e precisam ser “vencidos”.

Ninguém pode evoluir sem reconhecer e admitir suas fraquezas e erros. Pena que para os egoístas isso é MUITO difícil. Eles estão SEMPRE certos. Eles têm SEMPRE a razão e querem SEMPRE tudo para si mesmos, dos bens materiais aos imateriais. Amor, carinho, atenção… E muitas vezer, terminam sozinhos.

Os egoístas têm extrema dificuldade em dividir, compartilhar, compreender e ajudar. Eles precisam sempre levar vantagem, precisam estar no centro das atenções e precisam provar para si mesmos o quanto são bons. O fato é que essa muralha apenas reforça uma desesperada tentativa de manter o pouco que possuem. Muita gente leva a vida toda para compreender que trocar é mais valioso do que comprar.

troca-de-experiencias

Egoísmo, individualidade, imaturidade

Esse vídeo apenas demonstra o quanto esse egoísmo (ou individualidade, como muitos o chamam) está presente na nossa rotina. Por vezes, tão presente que mal o notamos. Não sei se fico triste pelos egoístas ou pelos que sofrem por ter que conviver com eles. Pior ainda quando eles insistem em não querer enxergar seus próprios defeitos.

Só me resta repetir: Triste reconhecer, admitir e (mais difícil ainda) evoluir.

Ver também:

Texto por Fernanda Suguino. Todos os direitos reservados.
Reprodução parcial permitida com citação obrigatória do link de origem.

Anúncios

Autor: Fernanda Suguino

Fascinada por gente que pensa, questiona e desafia a si mesmo. Psicóloga formada pela Universidade Mackenzie e pós-graduada em Psicopatologia pela NAIPPE/USP.

Você também já passou por isso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s